A nossa História

 
 
 

Bem Vindos

Mais de quatro décadas a alimentar a população de Vendas Novas, conseguiu apesar das dificuldades impostas pelo mercado, singrar na praça e estabelecer o seu negócio em edifício próprio, com produção e distribuição própria e diversificação de produtos. O seu negócio está enraizado em toda a cidade com vários pontos de distribuição. Os Vendasnovenses têm a sorte de saber o que é saborear pão e bolos de qualidade!
Tendo passado por diversos periodos de dificuldades ao longo dos anos, hoje a Sociedade Panificadora Central de Vendas Novas possui o seu edifício próprio, instalações administrativas, zona de fabrico de pão e pastelaria e máquinas e utensílios que proporcionam o fabrico em condições técnicas e higiénicas admissíveis.
Possui autocontrolo das condições funcionais e higieno-sanitárias de instalações, equipamento e métodos de fabrico, realiza testes de análise laboratoriais ao produto acabado, possui também os serviços de medicina no trabalho, serviços estes assegurados por empresas idóneas. Como se pode verificar, o cumprimento de todas estas condições, embora justas, implicam custos a quem as pratica o que coloca a sociedade - em termos de concorrência - em desvantagem com uma enorme parcela de economia paralela que ainda hoje existe.
A Sociedade tem ao seu serviço cerca de 46 trabalhadores e 10 viaturas de transporte de mercadorias, sendo que 3 delas fazem o transporte de mercadoria para fora do concelho. Aplica ainda verbas importantes em serviços prestados no exterior
 
 
 
 
 

A nossa História

O pão nosso de cada dia…
Depois de uma época em que a indústria de panificação nos meios mais rurais funcionou praticamente à deriva, em 1954 foi implantada legislação determinando que o fabrico de pão ficava submetido transitoriamente ao regime de Condicionamento Industrial enquanto não se publicasse o regulamento fixando as condições técnicas, higiénicas e de segurança referentes a esta actividade. Este regulamento viria a ser publicado em Agosto de 1959 e estabelecia que as futuras instalações de fabrico e venda de pão teriam de corresponder a novas exigências em relação às existentes, às quais era concedido um prazo de 4 anos para adaptação.
Nessa altura Vendas Novas era ainda uma freguesia na qual existiam 13 estabelecimentos de fabrico e venda de pão, pertencentes a 18 pessoas. Estes estabelecimentos variavam muito entre si na importância e movimento, alguns assumiam já alguma importância, mas outros apresentavam condições muito débeis, funcionavam em instalações precárias e utilizavam apenas mão-de-obra familiar. Confrontados com a nova legislação surgiram problemas para o seu cumprimento pois exigia para além do investimento monetário, espaço físico consoante a importância de cada estabelecimento.
 
 
Depois de várias trocas de opinião entre os interessados, alguns a confessar a sua impossibilidade de dar cumprimento às novas normas, combinaram formar uma comissão para tentar encontrar a solução que pudesse mais vantajosa para todos. Foi então apresentada uma proposta que consistia na constituição de uma Sociedade Comercial por quotas, participada por todos os proprietários dos estabelecimentos existentes, cuja participação social de cada um seria em função do valor atribuído a cada estabelecimento. A exploração de todos os estabelecimentos assim como todos os encargos inerentes, passariam a ser da competência e responsabilidade da futura sociedade, a qual também teria que garantir a permanência, colaboração e remuneração a todos os sócios e seus familiares que já trabalhavam nos seus estabelecimentos e que pretendessem continuar.

A futura sociedade, teria como objectivo principal conseguir um estabelecimento moderno dotado de condições técnicas e higiénicas onde pudesse instalar a sua sede e concentrar aí todo o fabrico de pão, melhorando a sua qualidade, quantidade e rentabilidade.
Esta sugestão foi encarada com agrado e aceite por todos os interessados, como consequência em 29 de Dezembro de 1960 foi celebrada a escritura de Constituição da “Sociedade Panificadora Central de Vendas Novas, Lda.”, outorgada pelos seus sócios fundadores: Francisco Custódio de Vale de Gato; Francisco Pereira; Armando Correia de Almeida; Hermínio José Vitória; Francisco Luís da Silva; José ... Leia mais
 
 
 

Legislação

 

DL n.º 286-86

06/09/1986
 

Lei n.º 75/2009

Redução do teor de sal no pão
 

Portaria n.º 425/98

25-07-1998
 
 

DL n.º 65/92

23/04/1992
 

DL n.º 275/87

04/07/1987
 
 
 
 
 

Fundadores

Sociedade Panificadora de Vendas Novas, Lda, foi em 29 de Dezembro de 1960 que foi constituida por 19 Padeiros da freguesia de Vendas Novas, Concelho de Montemor-o-Novo.

O Nome dos Fundadores

.: Francisco Custódio de vale de gato
.: Francisco Pereira
.: Armando Correia de Almeida
.: Herminio José Vitoria
.: Francisco Luís da Silva
.: José Maria Pires Marcelino
.: Manuel Maria Pires Marcelino
.: José Maria Esteves Fernandes
.: António Esteves Rivera
.: Amândio Augusto Carracha
.: Jerónimo de Sousa Martins Tourão
.: José Filipe Calção
.: João Manuel Carvalho da Costa
.: Joaquim Jorge Capote
.: Justino Desidério Remourinho
.: Jerónimo Murta Pereira
.: João Leal Bombico
.: Florêncio Manuel bombico
.: Dídaco Lopes Júnior